Dieta mediterrânea equilibra microbiota intestinal e auxilia função cerebral

Estudo realizado em cinco países europeus mostrou que idosos que seguem uma dieta do tipo mediterrânea por um ano tiveram o microbioma intestinal equilibrado.

Baseada em muitas frutas, vegetais, nozes, grãos integrais, legumes, azeite, tomate, espinafre e peixe, e em pouca carne vermelha, açúcar e gorduras saturadas, o cardápio desta dieta está associado a vários marcadores positivos de menor fragilidade e de melhora da função cognitiva, além da diminuição de marcadores negativos ligados à inflamação. Segundo os cientistas da pesquisa, publicada no periódico BMJ Gut, a dieta mediterrânea pode ser a melhor aliada da longevidade – uma vez em que pode inibir a produção de inflamações relacionadas à perda da função cognitiva e a impedir o desenvolvimento de doenças crônicas como diabetes, câncer e aterosclerose.

O estudo foi feito com a análise da microbiota intestinal de 612 indivíduos de 65 a 79 anos de idade, no Reino Unido, na França, na Holanda, na Itália e na Polônia. Enquanto 323 deles seguiram a dieta mediterrânea projetada para idosos por um ano, o resto seguiu o cardápio que estava acostumado.

O resultado mostra que a adesão foi associada a vários marcadores de menor fragilidade e melhora da função cognitiva e diminuição de marcadores inflamatórios, incluindo proteína C reativa e interleucina-17. A mudança de microbioma na dieta ainda foi associado a um aumento na produção de ácidos graxos e menor produção de ácidos biliares secundários, p-cresois, etanol e dióxido de carbono.

“O segundo cérebro”

Não é novidade que as criaturas minúsculas que vivem no intestino desempenham papéis bons e ruins no corpo, influenciando no sistema imunológico e no cérebro, por exemplo.

Mas, à medida que envelhecemos, a microbiota é menos diversa – muitas vezes por culpa da própria dieta do indivíduo. Cardápios mais pobres e menos variados são mais comuns entre idosos, especialmente entre os que moram sozinhos. Além disso, problemas de saúde e odontológicos podem dificultar ainda mais o equilíbrio da dieta.

Quando a diversidade das bactérias diminui, os processos inflamatórios aparecem, elevando o risco de câncer, distúrbios neurológicos e outras doenças. É aí que entra a dieta mediterrânea. As bactérias responsáveis por quebrar frutas e vegetais também alteram a expressão gênica nas células, protegendo o corpo de tumores.

Além disso, ela reduz os riscos de Alzheimer em até 40%, porque os alimentos presentes nesse plano alimentar contêm ômega 3, que atua no cérebro, melhorando a concentração, a memória, o aprendizado, a motivação, o humor e a velocidade de reação. Além de vitaminas, sais minerais e substâncias antioxidantes, que protegem as células sadias do organismo da ação oxidante dos radicais livres (moléculas responsáveis pelo envelhecimento).

Assim, mudar a dieta habitual para modular a microbiota intestinal é importante porque esta tem o potencial de promover um envelhecimento mais saudável.

Fonte

Compartilhar:

0 Comments

Get In Touch

Contact form submitted!
We will be in touch soon.

Sobre a Intolerância Alimentar

Disponibilizamos o acesso a informações que poderão auxiliá-lo no entendimento sobre reações adversas a alimentos, como hipersensibilidade ou intolerância alimentar imunomediada.
Atualmente cerca de 45% da população sofre com sintomas relacionados à intolerância alimentar e tal assunto é pouco discutido. Quando identificada ( a intolerância alimentar), o tratamento pode melhorar a qualidade de vida e bem estar do ser humano consideravelmente.

Error: Access Token is not valid or has expired. Feed will not update.
This error message is only visible to WordPress admins

There's an issue with the Instagram Access Token that you are using. Please obtain a new Access Token on the plugin's Settings page.
If you continue to have an issue with your Access Token then please see this FAQ for more information.

Encontre-nos no Facebook

BY ASTERISCO - Todos os direitos reservados

Fale Conosco pela Cris
Fale Conosco pelo WhatsApp